Centro Nacional de Paraquedismo, Boituva - São Paulo
(11) 98111-2233

Perigos na Operação de Paraquedismo

Há uma tendência natural em descrever os perigos como uma de suas conseqüências. Isso oculta a natureza dos perigos e interfere na identificação de outras conseqüências importantes. Contudo, quando os perigos são bem identificados, é possível inferir suas fontes, os mecanismos que os geraram e a magnitude de suas conseqüências.

A ICAO (International Civil Aviation Organization) apresenta quatro fundamentos para gerenciar os perigos e aumentar a segurança da operação.

1º Fundamento: Entender os perigos

O DECEA (Depto. de Controle do Espaço Aéreo) define:

  • Perigo – Condição, objeto ou atividade que potencialmente pode causar lesões ao pessoal, danos ao equipamento ou estruturas, perda de pessoal, ou redução da habilidade de desempenhar uma função determinada.
  • Risco – A possibilidade de perda ou dano, medida em termos de severidade e probabilidade. A possibilidade que algo possa ocorrer e suas consequências, caso ocorra.

Exemplo: Um vento cruzado de 15 nós é um perigo. A possibilidade de que o piloto não consiga controlar a aeronave durante a decolagem ou o pouso, o que pode resultar em um acidente, é um risco.

2º Fundamento: Identificação dos perigos

O espectro de perigos em aviação é muito amplo e pode estar relacionado com as seguintes áreas:

  • Fatores Relacionados ao Projeto;
  • Procedimentos e Práticas Operacionais;
  • Comunicação;
  • Fatores Organizacionais;
  • Fatores Ambientais de Trabalho;
  • Fatores Regulamentares;
  • Defesas;
  • Performance Humana.

Algumas condições merecem uma atenção maior: um aumento incomum de eventos relacionados a segurança, previsões de importantes mudanças operacionais, períodos de mudanças organizacionais significativas.

 

3º Fundamento: Análise de perigos

As operações eficientes e seguras ou a provisão de serviços requerem um equilíbrio constante entre os objetivos de produção (manter as operações regulares de um aeródromo durante um projeto de construção de uma pista) e metas de segurança (manter as margens de segurança existentes nas operações do aeródromo durante um projeto de construção de uma pista).

Os lugares de trabalho em aviação apresentam condições de perigo cuja eliminação nem sempre é economicamente viável (relação custo-benefício) e, ainda assim, a operação deve continuar.

ABC da análise de perigo:
A – Estabelecer perigos genérico (formulação do perigo)
B – Identificar os componentes específicos do perigo.
C – Orientar naturalmente até os riscos específicos.

 

4º Fundamento: Documentação dos perigos

A gestão apropriada da documentação dos perigos gera procedimentos formais para transformar dados de segurança operacional em informação relacionada com os perigos.

 

Assim, os perigos podem ser entendidos, identificados, analisados e documentados, fazendo nossa operação de paraquedismo mais segura – gerando novas informações sobre segurança e garantindo que as informações já existentes sejam compartilhadas com todos.

Deixar um comentário